Monday, August 27, 2007

Grandes Férias, Grandes Amigos

Voltei.
E nada como recordar um típico dia de férias, para manter essa lembrança activa.
Data: Algures em Agosto de 2007
Local: Albufeira – Algarve
Tempo: Excelente
08:30 – Levantar, saída para a Praça
09:00 – Depois de analisado em pormenor toda a espécie piscícola disponível na praça de Albufeira, optei pela compra de um belo Peixe-espada.
09:45 – Chegada à Praia do Castelo,

Os putos arrancam à frente, levando cada um a respectiva cadeira de praia.
Fico com o restante para levar, a saber,
Saco grande com toalhas, jornais dos últimos 15 dias, livros já terminados, 10 frascos meio-cheios de protector solar, raquetes, bola, um fole de encher, conchas e pedras apanhadas nos dias anteriores, 2 kg de areia que se foi introduzindo no saco.
Em cima equilibro 2 chapéus de praia, uma espingarda de caça submarina e um par de barbatanas.
Na cintura coloco um cinto de chumbos (8 kg).
No ombro esquerdo segue o saco com o equipamento de mergulho e no direito a geleira com mantimentos para uma semana.
09:55 – Começo a descida (cerca de 200 degraus) para a praia, e esforço-me para não pensar no regresso (penoso)
O saco de um dos ombros desliza para o braço, obrigando-me a parar e redistribuir a carga.
Cai um dos chapéus de praia. Nova paragem.
Chego a meio das escadas.
Cai o outro saco. Paro e ponho-o a tiracolo.
A fila atrás de mim está enorme.
Finalmente, chego à areia, e como vou muito pesado, enterro-me quase até aos joelhos, desequilibrando-me e fazendo cair todos os sacos. O Inglês atrás de mim refila. Retribuo com um ‘go to walk monkeys’. O gajo não percebeu.
10:15 – Depois de um pequeno descanso, coloco estrategicamente chapéus, toalhas e cadeiras de forma a ocupar espaço para o Eduardo e o Zé Pedro.
10:17 – Pai, quero água!
10:23 – Pai, quero um bolicau!
10:26 – Pai, quero um Ice-Tea!
10:31 – Pai, dá-me dinheiro para ir ao Bar!
10:37 – Pai, …. CALEM-SE, PORRA !!! Metade da praia olha-me de forma desaprovadora.
10:45 – Chega um casal que considerou que eu estava a ocupar espaço a mais e coloca as toalhas entre os meus dois chapéus de praia. Olham-me com ar triunfante, mal sabem o que os espera.
10:55 – Chega o Eduardo, mais quatro cadeiras de Praia, dois chapéus, equipamento de mergulho, geleira, uma bola e respectiva família.
11:30 – Chega o Zé Pedro que além das cadeiras, dos chapéus, do equipamento de mergulho e respectiva família, ainda trás a sogra.
11:35 – O casal que se colocou entre os meus chapéus regressa do banho e vê-se rodeado de putos, toalhas, bolas de futebol, raquetas, chapéus de praia, cadeiras e da Sogra do Zé Pedro. É a minha vez de me rir triunfante.
11:40 – Inicio a minha preparação para mergulhar, tentando vestir o fato que comprei quando tinha menos 10 kg.
11:45 – Os putos começam a jogar futebol, fazendo balizas entre os postes dos chapéus de praia. Mando-os parar quando acertam pela terceira vez no casal que não nos pertence. Substituem o futebol por um torneio de raquetas.
11:50 – Consigo finalmente vestir o fato de mergulho (pareço o boneco da Michelin).
11:55 – Os putos desistem das raquetas. O João e a Catarina começam uma guerra de areia. O Luís e o António treinam Wrestling. A Joana envia SMS. O casal dá-se por vencido e retira-se dos nossos domínios.
12:00 – Inicio a minha jornada de caça submarina. A água está fria, tapada, não se vê nada, não há peixe e estou completamente estoirado e sem capacidade de apneia. Finalmente apanho um pequeno choco.

13:15 – Termino a minha jornada de caça submarina.
Quando deixo a água, sou rodeado por 50 putos a perguntarem ‘apanhou alguma coisa ? apanhou alguma coisa ? apanhou alguma coisa ?’
E rapidamente iniciam uma análise fria às minhas capacidades como pescador.
‘Só isso ?’, ‘O meu pai ontem apanhou um safio com 15 Kg e da outra vez trouxe 4 sargos enormes, e o meu primo apanhou 3 polvos’.
O que vale é a minha elevada auto-estima que rapidamente se extingue quando o Eduardo sai com um magnífico polvo de 3 Kg e o Zé Pedro apanha os seus primeiros chocos.
13:30 – Penoso, Penoso, Muito Penoso (claro a volta ao carro e os 200 degraus a subir)
14:10 – De regresso ao apartamento preparo o peixe-espada para grelhar.
14:11 – Pai, eu não gosto desse peixe !
14:12 – Pai, o que é isso preto no peixe ?
14:15 – Coloco o peixe a grelhar.
14:25 – O peixe ainda está cru. O carvão não pegou.
14:45 – Depois de 15 minutos a soprar, o carvão está finalmente uma beleza. Volta o peixe à grelha.
14:50 – O carvão está tão bom, que começa a deitar labaredas, por tudo o que é lado.
14:55 – Quando tento virar o peixe, descubro que o mesmo está agarrado à grelha. Nada que uma espátula não resolva.
15:00 – Consegui virar o peixe mas metade, ficou agarrada, transformando o belo do peixe-espada numa massa disforme.
15:05 – Voltam as labaredas.
15:10 – Tento controlar os estragos. A metade do peixe que ainda não estava agarrada à grelha, cai directamente no Carvão. MERDA !!!
15:30 – Peço um frango assado no restaurante da esquina.

Como referem os putos e subscrevo na totalidade
‘GRANDES FÉRIAS, GRANDES AMIGOS’

3 comments:

Anabela said...

Ola, valentes gargalhádas dei eu ao ler a descrição de um dia das suas férias.... Mt giro

E como já terminaram resta-me desejar-lhe um bom regresso ao trabalho, que diga-se de passagem tmbm não é nada fácil

Andorinha said...

LOLOL
Muito bom! Só costumo rir assim quando leio o Vida de Casado!
Excelente! E um choco, é sempre um choco!

— Ninguém! said...

Muito obrigada pelos vossos comentários.

Andorinha,
a tua comparação com o Vida de Casado é equivalente a comparares um mini com um ferrari e fico muito lisonjeado com a mesma.